Aprendendo francês na Suíça

Eu nunca pensei em aprender francês na minha vida – até me mudar pra Suisse Romande. Eu cheguei aqui falando basicamente só bonjour e merci, e agora, depois de 1 ano e meio de curso eu me considero uma vencedora! Hauahaha, brincadeiras a parte, vou contar pra vocês um pouco dessa experiência de aprender francês aqui.

Por quê aprender Francês?

Pra começar: porque sim. Eu acho que uma das coisas mais incríveis de viver em outro país é a oportunidade de aprender e praticar, todo dia, um novo idioma. Em outras palavras: uma oportunidade única.

Pra continuar, aprender a língua local é mais que vontade, é necessidade. Você até pode encontrar pessoas por aqui que falam inglês, mas elas não são maioria. Em muitos serviços essenciais, inclusive aqueles que lidam com os estrageiros residentes aqui, você não vai encontrar funcionários que falem inglês. É claro que você não precisa ser fluente pra lidar com as situações cotidianas, mas quanto mais você souber, mais integrado você vai estar e mais proveito vai tirar da vida por aqui.

gardez-le-calme-et-apprendre-le-francais-5

 

Tipos de cursos

Quando eu cheguei eu me deparei com uma oferta enorme de cursos, normais e intensivos, com preços que iam do “caro” para o “absurdo”. Só pra citar três exemplos:

Curso geral de francês da Eurocentres, 20 aulas de 50 minutos cada = CHF 1021,40 (contando CHF 170 da inscrição)

Curso standard da Voxea, 10 aulas de 1h30 cada = CHF 945

Curso Francês A1 École Club Migros, 40 sessões de 50 minutos cada = CHF 650

Antes de fazer minha escolha, descobrimos um curso da EPFL, organizado pela ACIDE e oferecido especialmente para as esposas/maridos dos funcionários, com o custo de CHF 260 por 20 aulas de 1h30 cada. Nem preciso dizer qual foi que escolhi!

Comecei esse curso da ACIDE em janeiro de 2014 e sigo nele até agora (se passaram 3 ou 4 módulos, até então). Ele é um curso lento, portanto eu não recomendo pra quem tem pressa em aprender francês. Por outro lado, é um curso extremamente agradável! É uma aula que nem parece aula! A professora é uma simpatia, os colegas são legais e das mais diferentes nacionalidades, e além da língua nós também aprendemos um pouco de cultura suíça, tornando a experiência muito mais rica. Como eu não tenho pressa de aprender francês e nem muito tempo sobrando para um curso mais puxado, essa sempre foi a melhor opção para mim – mas aí vai de cada um analisar as suas necessidades.

E, mesmo assim, em 1 ano e meio de aulas eu saí do zero absoluto e hoje já tenho nível B2*! Eu sei que pode parecer pouco, e que se eu tivesse feito um intensivo eu poderia estar melhor, mas quando eu penso no processo todo e no tanto de horas que dediquei (que confesso, não foram muitas), eu me sinto muito orgulhosa! Hoje eu sou capaz de ter uma conversação em francês, eu posso assistir filmes e noticiários, eu compreendo os avisos sonoros, eu bato papo com as velhinhas na rua… enfim, existe um caminho longo pela frente, mas já consigo sobreviver!

* São seis níveis no aprendizado do francês: A1 e A2 (iniciante); B1 e B2 (intermediário); e C1 e C2 (avançado).

Existem opções de cursos gratuitos que são oferecidos pela cidade de Lausanne para os estrangeiros para facilitar a integração (tá aqui a brochura que indica esses lugares). Sendo bem sincera, nunca conseguimos informações consistentes sobre isso. Tive amigas que foram pessoalmente na administration communale se informar e não conseguiram nada. No final das contas, ficamos com a sensação de que esses programas são voltados a pessoas de baixa renda, então nem fomos muito atrás.

Francês Suíço X Francês da França

Não existem diferenças gritantes entre o francês falando aqui e o francês da França. Por exemplo, eu assisto canais de tv franceses e entendo tudo muito bem. Claro que existe sotaque e algumas diferenças, mas são ~sutilezas, nada que impeça o entendimento.

Por exemplo, aqui na Suíça se fala septante, huitante e nonante (70, 80 e 90) e não soixante-dix, quatre-vingts, quatre-vingt-dix.

Num geral, os franceses acham que os Suíços tem muito sotaque e falam bem devagar. E, mesmo aqui dentro da Suíça, existem diferentes sotaques entre os cantões (estados) de língua francesa. Posso citar agora o de Valais, que acho que é um dos mais fáceis de reconhecer (dá o play no vídeo abaixo pra ter uma ideia, mas é só uma ideia viu, porque esse é um vídeo de humor!).

Semana que vem eu volto pra falar um pouco mais desse assunto, e contar a minha experiência pessoal de aprender francês (minhas alegrias e meu sofrimento) e o que tem me ajudado nessa luta!

Você também pode gostar de:

7 Comentários

  1. Oi Monique! Não tinha visto o post e te perguntei outro dia sobre este assunto no IG. Achei o site do curso da EPFL/ACIDE e me pareceu a melhor opção. Existe um curso gratuito da associação vaudoise Français em Jeu, mas é para pessoas carentes mesmo. Queria saber sobre outra coisa: vc frequenta academia de ginástica aqui? Visitei umas 3 mas nada me pareceu legal em relação a ambiente ou custo ou localização… Fiz uma aula experimental de Pilates, eu fazia no Brasil, mas o valor daqui é fora da realidade. Beijos

    1. Olá Fernanda!
      Pois é, eu sempre ouvi muito falar desses cursos gratuitos, mas não conheço ninguém que efetivamente tenha feito (por isso que fiquei com essa impressão de que são voltados para pessoas carentes).
      Olha, quando eu cheguei eu cogitei fazer academia e pesquisei preços, até fiz uma aula inicial na EPFL, mas acabei achando que o valor não valia a pena. Ainda mais num país como a Suíça, cheio de parques, lugares pra andar de bicicleta, de roller, pra fazer hiking…
      Nós começamos a aproveitar as atividades ao ar livre e a academia foi esquecida.
      Bjs!

  2. Olá Monique, estou adorando as suas dicas pois acabei de chegar na Suiça, meu marido veio trabalhar. Estamos morando em um apto temporário em Pully. Então estou nessa saga de procurar apartamento, aprender a usar o transporte público, escola para filha e aprender o Francês! Vc já me ajudou com a explicação sobre os ônibus para Lausanne, mas confesso que tenho sofrido para entender as diferentes máquinas para comprar os bilhetes ! 😥

    1. Olá Denise!
      Muito obrigada pelo comentário! Bom saber que minhas dicas estão ajudando!
      Esse momento de chegada é bem trabalhoso mesmo, pois são muitas coisas a ajeitar e aprender. Fique tranquila, as coisas logo se acertam!
      Quanto ao transporte, tente o aplicativo Mobile CFF. Você entra com a informação de onde está e pra onde quer ir, e ele te mostra a quantidade de zonas (e o número delas) que você tem que comprar e assim você chega na máquina já sabendo o que precisa!
      Qualquer coisa, aqui está o mapa das zonas pra você se localizar melhor: http://www.mobilis-vaud.ch/wp-content/uploads/2016/01/Plan_general_800x570_GL.pdf
      Boa sorte!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *