Bélgica: Leuven

Outubro foi tenso e novembro está sendo pior. Além de muitas coisas pra fazer, eu sigo com uma dor de cabeça insistente que acorda comigo e me acompanha o dia inteiro. Eu tinha decidido nem postar nada – afinal de contas o blog não é meu trabalho, é só um hobby – mas aí eu lembrei da quantidade de posts esquecidos lá no falecido blogger e resolvi reviver mais alguns deles, até que a rotina volte ao normal e eu tenha tempo pra escrever como foi nosso passeio em Barcelona e tudo mais que aconteceu nos últimos tempos.

Vou reviver então as nossas aventuras na Bélgica e nosso passeio relâmpago feito num fim de tarde de domingo: Leuven.

Pegamos o trem em Bruxelas e pagamos 13 euros a ida e volta para dois (transporte lá é ridiculamente barato). Não lembro quanto demorou, mas lembro que foi rapidinho. Como era domingo fim de tarde, nada mais estava aberto. Então a gente fez uma caminhada pela cidade e depois voltamos pra estação.

Esse foi o nosso caminho: saindo da estação, até a praça do mercado e depois seguimos até o Begijnhof. Depois a gente fez exatamente o mesmo caminho para voltar.

Capture d'écran 2014-11-12 17.33.32

E nessa caminhada a gente passou por alguns pontos turísticos:

Town Hall (1439 – 1463)

A Prefeitura de Leuven é um dos edifícios góticos mais conhecidos do mundo (mas a prefeitura não funciona mais ali). É absurdamente lindo, a gente fica até meio confuso, sem saber pra onde olhar, em que detalhe prestar atenção…

Igreja de São Pedro (1425-1500)

Igreja mais antiga de Leuven (986), foi incendiada em 1176 e reconstruída. Fica ao lado da Prefeitura.

 A Torre da Biblioteca

Durante a I Guerra Mundial a biblioteca da Universidade de Leuven foi destruída pelo fogo. Foi reconstruída em 1920 graças a ajuda de 300 instituições de Ensino Americanas.

Igreja de São Miguel

Considerada a mais jesuíta Igreja da Bélgica. Passamos em frente no caminho para o Begijnhof.

Begijnhof 

Reconhecido como Patrimônio Mundial pela UNESCO em 1998. Durante o século XVII, cerca de 360 beguinas viviam ali, e hoje as casas são ocupadas por universitários e professores.

Igreja de São João Batista – século XIV

Acho que ficamos umas 2 horas na cidade no total. Pra falar a verdade, Leuven nem estava nos nossos planos. Estávamos passeando em Bruxelas quando tudo começou a fechar (museus e comércio). Nos pegamos sem saber o que fazer e resolvemos dar um “pulinho” em Leuven. Com certeza não é o turismo que eu indico fazer – dar “pulinhos” nos lugares – mas acabou sendo um passeio bem interessante para um final de tarde. Com certeza a cidade tem muito mais a oferecer para os turistas, e ficamos com vontade de voltar pra explorar mais – e sem pressa.

Voltando para a estação

Você também pode gostar de:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *