Custo de vida na Suíça – Lausanne

Toda hora pipocam novas listas como as 10 mais cidades mais caras do mundo, o custo de vida mais alto, o big mac mais caro do mundo, o sanduíche mais caro do mundo…. e a Suíça está sempre bombando nessas pesquisas.

Pois bem, todas essas pesquisas servem aos seu propósitos – porém, elas não servem pra embasar comentários como “viver na Suíça é muito caro”, “viver no Brasil é barato”, simplesmente porque, em muitas delas, falta contexto. Você não pode simplesmente analisar o quanto as pessoas gastam sem analisar o quanto as pessoas ganham – o segredo está na harmonia entre esses dois itens. Alguém que ganha um ‘salário mínimo’ na Suíça vive com muito mais dignidade do que alguém que ganha salário mínimo no Brasil – fato.

Vale comentar que não existe um salário mínimo aqui (e que os suíços rejeitaram a proposta de um salário mínimo, que ficaria perto dos R$ 12.000,00, pela cotação atual). Estima-se que somente 9% da população suíça ganhe menos do que CHF 4,000 mensais (matéria aqui), que era exatamente o valor proposto para o salário mínimo…. então podemos tomar isso, mais ou menos, como uma base. O Numbeo coloca o salário médio entre CHF 5,000 e 6,000 mensais.

Se você analisar friamente, sem o contexto, sim, as coisas custam muito mais caro aqui, muito mesmo. De início, a gente fica convertendo tudo e pensando: Meu Deus, 10 reais por meia dúzia de ovos? Eles estão loucos? E isso que eu exemplifiquei com algo bem básico do dia a dia. Mas a verdade é que, passado um tempo, você desencana disso. Ficar convertendo valores mentalmente não muda o preço das coisas, só estraga seu dia. Você tem que entender que onde se ganha mais se gasta mais, e tentar ver o lado bom das coisas. Bom mesmo é ganhar aqui pra gastar no Brasil – e seria impossível viver ganhando no Brasil e gastando aqui.

images

De qualquer forma, o custo de vida na Suíça vai depender muito da região onde você mora e também dos seus hábitos, obviamente. Assim como os custos para passear na Suíça também vão depender do seu roteiro e dos seus hábitos enquanto turista. E como tem muita gente chegando aqui pesquisando por “custo de vida na Suíça” eu resolvi fazer esse post pra ilustrar alguns gastos, tomando como base a região de Lausanne. Que fique claro que os valores, e também algumas regras, podem mudar de cantão pra cantão.

O aluguel, por exemplo, é mesmo muito muito caro. Mas é melhor se acostumar, se você quiser ter um teto. Talvez dividindo um apartamento, alugando um quarto, você consiga pagar menos, mas mesmo assim ainda será caro pros padrões brasileiros. A situação de moradia em algumas áreas da Suíça é bem crítica, então o preço dos aluguéis é bem elevado. Um apartamento de 1 quarto no centro da cidade está, em média, CHF 1250 por mês (informação do NUMBEO). Pode ser um pouco mais ou um pouco menos, mas no centro da cidade realmente fica entre 1000 e 1400 (e apartamento pequenos ok). Você até pode conseguir alugar por CHF 800, mas existem grandes chances de que seja um buraco no subsolo, ou tenha algum outro tipo de defeito grave. Saindo do centro da cidade, a média do aluguel é de CHF 980, e você pode até conseguir um lugar bacana por menos se aceitar viver beeem longe do centro (mas aí seus gastos com transporte podem aumentar).

E não se esqueça que além do valor do aluguel também tem o valor das taxas (água e aquecimento) mas geralmente nos anúncios de aluguel sempre tem o valor + taxas, assim você já visualiza o valor final mensal. No caso do aquecimento, por exemplo, você vai pagar um valor médio e, no final do ano, eles verificarão a sua utilização: se você usou a mais do que pagou, vai ter que pagar a diferença; se você usou menos do que pagou, eles te devolvem a diferença (a nossa experiência indica que você terá que pagar a diferença, hehehe).

Capture d'écran 2015-02-19 18.18.50
Pesquisa feita em 19 fevereiro de 2015 – CHF 1370 por 21 m2 em área central

A internet, de 5 mega, custa uns CHF 40 por mês (mas funciona super bem, esqueça a porcaria de serviço de telefonia brasileiro).  E se você tem um aparelho que te possibilite escutar rádio ou ver televisão, você tem que pagar o Billag. Então, se você tem meios para receber esses dados, você é obrigado a pagar, e o pagamento é feito por domicílio anualmente (cerca de CHF 450), e não por pessoa. Não importa se você nunca ligou sua tv, se você usa ela como monitor ou só pra jogar video game – se você tem uma TV, você tem que pagar. E como ele sabem se você tem uma TV? Eles te visitam pra conferir. Já nos visitaram uma vez, mas já tínhamos “declarado” nossa TV e recebido nosso boleto do Billag, o cara bateu aqui tocar o terror por engano mesmo (e me pediu um milhão de desculpas depois). Se, nessa visita, eles encontrarem um desses itens e você não declarou, rola uma singela multa de 5 mil francos. Eu digo que as crianças tem medo do véio do saco e os adultos tem medo do homem do Billag.

Com o telefone celular você pode gastar o quanto quiser. Você pode comprar um celular de cartão e recarregá-lo conforme sua vontade (e nesse caso vai pagar mais pelo celular), ou então pegar um celular de conta e gastar a partir de CHF 19 por mês, conforme o pacote que você escolher, podendo ganhar o aparelho ou pagar muito pouco por ele – igual no Brasil. Não temos telefone em casa – e não faz falta nenhuma.

Outra coisa que é caríssima, e obrigatória, é o seguro saúde. Escolhendo uma franquia alta, você vai gastar mais ou menos uns CHF 250 por mês. E é isso que eu falei mesmo: franquia. Você paga caro, e ainda por cima se precisar de qualquer coisa que esteja abaixo da sua franquia, vai ter que pagar do bolso. Se escolher uma franquia mais baixa, o valor mensal vai subir. Sei que existe uma forma de pedir uma ajudinha pro governo pra pagar, mas não faço ideia de como isso funciona e quais os requisitos. Para estudantes estrangeiros que ganham menos que um valor x mensal, é possível fazer um seguro mais barato, mas as regras mudam de cantão para cantão.

Eu nunca precisei usar meu seguro aqui (Graças a Deus) e aproveito pra fazer todos meus exames e consultas de rotina quando viajo ao Brasil, mas acredito que uma consulta particular aqui custe cerca de uns CHF 250.  Vale salientar também que as minhas amigas que precisaram usar algum tipo de serviço de saúde aqui elogiaram muito o atendimento. E que uma visita ao dentista é absurdamente cara, pois nem todos os tratamentos dentários são cobertos pelo seguro saúde (conhecemos uma pessoa que preferiu voltar pra Coréia fazer um tratamento dentário do que pagar o tratamento aqui).

O transporte, se comparado com outros lugares, também é bem caro. A passagem individual para duas zonas custa CHF 3,60 e o bilhete ilimitado mensal custa CHF 72 (para três zonas 104, para 4 zonas 133…). É possível fazer um abonamento geral (custa CHF 3665 para adultos, anual) que dá direito a andar ilimitado usando o transporte público em todo o país, ou então fazer um abonamento meia tarifa, que custa cerca de CHF 150 anual para adultos, e dá direito a pagar meia passagem (em alguns casos não é exatamente meia: o bilhete individual pra 2 zonas, por exemplo, fica por CHF 2,40). É caro? É, mas a qualidade compensa.

Vale citar também que o táxi é bem caro por aqui, e você pode utilizar o aplicativo Taxi Lausanne pra simular trajetos e verificar uma estimativa do valor. No entanto, é preciso citar também que, dependendo do seu trajeto, você se locomover de bicicleta tranquilamente, já que existem ciclovias, os motoristas são bem educados e você pode entrar com sua bicicleta nos ônibus e trens (pagando uma passagem pra ela).

LTC_map_mobilis_2015

A alimentação pode variar muito. Comer em restaurantes é extremamente caro. A opção de almoço mais barata na EPFL, pra estudantes, custa cerca de CHF 8,00. Aqui perto de casa tem um restaurante tailandês ótimo e super barato – cerca de CHF 15,00 o prato (que serve 1 pessoa só). O combo mais barato no McDonalds custa mais ou menos uns CHF 10,00. Comprar os ingredientes no supermercado e cozinhar em casa é a melhor opção pra quem quer gastar pouco (e é possível fazer pratos simples, como arroz e feijão e massa com pesto bem baratinho).  Agora, mesmo comprando no super, existe um item que é caríssimo: a carne. Todas as carnes são caras, mas a carne de gado é a campeã – tipo CHF 70 o quilo para um corte um pouco melhor…

Quanto a roupas e calçados, bom, isso é muito subjetivo. Você pode encontrar coisas caríssimas e de ótima qualidade, mas também pode garimpar peças bacanas com ótimos preços nas promoções e lojas “fast fashion”. Vai do gosto de cada um. Eu, particularmente, acho mais barato comprar roupa aqui do que no Brasil, porque vamos combinar, o preço desses itens no Brasil tá de cair duro dando cambalhota. E não posso negar que tenho aproveitado nossas viagens por aí pra fazer umas comprinhas também, encontrando preços ainda melhores do que aqui. Lá no post de Evian les Bains eu comentei que alguns suíços atravessam o lago pra fazer comprinhas na França, ou vão de carro mesmo – assim como imagino que os que morem perto da Alemanha e da Itália também o façam.

Para mobiliar sua casa, caso você precise, você também pode desembolsar bem menos do que no Brasil, se escolher uma loja no estilo IKEA ou similar. Vale lembrar que a IKEA aqui equivale a mobiliar a sua casa em lojas como Tok Stok e Etna no Brasil, que custam os olhos da cara mesmo entregando produtos de qualidade mediana. É claro que a IKEA também tem linhas caríssimas, mas se você quiser, pode mobiliar sua casa de um jeito bem bacana gastando pouco, procurando pelas linhas mais acessíveis. Vamos ilustrar com o seguinte caso: tem umas mesinhas aqui na IKEA, estas, que custam CHF 7,95 (cerca de 24 reais) e praticamente todo mundo tem – e nós temos também. Uma mesinha muito semelhante, esta, vendida na ETNA, custa R$ 179,00. Eu tive a oportunidade de verificar a da ETNA pessoalmente, e a única diferença da mesinha da ETNA é que ela é um pouquinho maior, pois é retangular. De resto, é tudo a mesma coisa. Os eletrônicos tem, em geral, um preço melhor do que no Brasil, e aqui ninguém precisa ser “topo da pirâmide” pra ter um Iphone, por exemplo.

Preciso dizer que eu não sei quanto custa uma faxineira, porque eu mesma limpo minha casa. Aliás, em termos de serviços, nós nos viramos praticamente com tudo: nunca contratamos ninguém pra pequenos reparos, faxina, mudança, montar móveis… é tudo no braço e nos guias do youtube. Até cortar o cabelo do marido eu corto (mais ou menos CHF 40 um corte masculino e CHF 70 um feminino), e faço unhas e depilação em casa também. Também não sei dizer sobre os gastos com filhos e com pets, porque não temos, e também não sabemos os custos de ter um carro, porque só usamos transporte público. Acho que vale dizer aqui que nós levamos uma vida super simples: não nos falta absolutamente nada e temos uma vida bem confortável, mas não somos de esbanjar. Como a gente ama viajar, a gente prefere levar uma vidinha mais sossegada e guardar um dinheiro pra passear, coisa que é possível fazer aqui porque conseguimos passagens aéreas com precinhos bem amigos (na Swiss, geralmente, contrariando todo o senso comum de que viagem barata é só com Easyjet e RyanAir).

Bom, espero ter matado um pouco da curiosidade quanto ao custo de vida aqui. É difícil passar valores “exatos”, porque eles dependem de muitos fatores. Acho que só quando você se muda pra cá é que você se intera de tudo e passa a entender como as coisas funcionam. Pra quem tem curiosidade, indico acessar o site NUMBEO, que usei nesse post pra me ajudar a ilustrar alguns valores além da nossa própria experiência. Apesar de achar que ele pode exagerar em alguns valores e aliviar em outros, num geral ele é um bom site para verificar o custo de vida em vários locais do mundo (e em outras partes da Suíça, caso você tenha curiosidade).

Você também pode gostar de:

17 Comentários

  1. Monique, parabéns pelo blog!! Muito bem escrito… Conciso e preciso, recheado de informações úteis!
    Gostaria de tirar algumas dúvidas minhas, pois estou me organizando para ir morar na Suíça. Você poderia me passar seu email para que eu pudesse escrever minhas dúvidas?
    Obrigada!! 🙂

    1. Olá Célia!
      Muito obrigada! Sempre fico feliz de saber que minhas infos estão ajudando!
      Seguinte, pode me mandar uma mensagem pelo formulário de contato (ali em cima, na aba “contato”) que ele cai direto no meu email, e aí seguimos a conversa por lá!
      Abraços!

  2. Monique gostaria de saber se tendo 16 anos posso trabalhar a noite ai em lausanne, como garçonete ou algo do tipo e gostaria de saber tbm se consigo ganhar uns 2000 francos trabalhando assim.

    1. Olá Rafaela
      Eu realmente não sei te dizer como funcionam as regras de trabalho para menores de 16 anos (não conheço ninguém nessa situação). Sei que é possível trabalhar com essa idade, mas em vagas específicas.

  3. Boa noite Monique,

    Tudo bem? Moro em Porto Alegre e estou com uma boa oportunidade de ir para Lausanne ano que vem para um período de pós-doc. A bolsa é de 3500 CHF, você acha que é suficiente para viver razoavelmente bem por aí, incluindo todos os gastos?

    Muito obrigado antecipadamente!
    Um abraço,
    Humberto.

    1. Olá Humberto, tudo bem!

      Bom, viver bem é um conceito subjetivo. Mas, considerando uma vida simples e sem muitos luxos, dá pra viver com esse valor sim, tranquilamente. Aliás, se você aceitar viver em um apê pequeno (ou dividir com alguém), andar de transporte público, cozinhar em casa… dá pra viver e ainda sobrar um pouquinho pra guardar/viajar pela Europa.
      Abraços
      Monique

  4. Olá. Parabéns pelo post. Muito explicativo e comparativo. Para ser mais direto, gostaria de saber se com 1950 CHF consigo viver, por exemplo, em Zurique? Pois vi que o governo suiço está dando bolsa de estudo para pós graduação aí na Suiça. O valor da bolsa é de 1950, para doutorado. Minha mãe quis me matar quando falei disso pra ela, pois ela acha que morrerei de fome e ela não teria um tostão pra me mandar e me ajudar caso isso aconteça. Obrigado desde já.

  5. Olá Monique. Adorei o post!
    Agora a pergunta que não quer calar, como é o mercado de trabalho pra quem fala alemão aí? Dizem que há trabalho de sobra pra quem fala a língua local, é verdade isso?
    Super obrigada!
    Bjs

    1. Olá Joyce!
      Obrigada pelo comentário!
      Bom, eu diria que “trabalho de sobra” é uma expressão bem forte.
      Com certeza falar a língua local e ter inglês fluente ajuda muito na hora de conseguir um emprego (aliás, sem isso é praticamente impossível conseguir um). Eu não sei te dizer como é a situação na parte alemã, e pode ser que em certas regiões seja mais fácil que em outras, mas pela experiência que temos na parte francófona, os empregos estão muito concorridos e os níveis de exigência estão cada vez mais altos. Então além da língua, é preciso ser muito qualificado pra conseguir entrar no mercado.
      Bjs!

  6. Olá Monique!
    Eu vivo em Londres e meu marido acabou de receber uma proposta bastante tentadora. – empresa fica no cantão de Geneve e o salario é bastante interessante. Já nao somos jovens rs entao se ele aceitar, iremos apenas eu, ele e nossa Labradora, os filhos continuarao aqui em Londres já que sao todos maiores de idade. A unica duvida que tenho é em relação a adaptaçao e custos com carro. Sei que sobre o carro você nao pode me responder, mas você acha que a adaptaçao (visinhança, etc) é muito complicado para alguém com 50 anos? Tenho alguns amigos que moram na Suiça e que poderão suprir as primeiras “saudades” dos amigos etc.
    Obrigada

    1. Olá Rita

      Infelizmente eu não posso te ajudar com essa informação. A adaptação é um processo bastante complexo e que depende de muitos fatores, não somente de questões de idade.

      Monique

  7. Moniqu, estou indo p a Suiça no final desse ano (precisamente Zurique). Gostaria de saber se vc sabe como funciona o mercado musical daí. Se tem musica em bares e restaurantes, se musica brasileira é bem aceita. Outra coisa, é dificil arrumar um trabalho (mesmo q seja simples) por aí?

    1. Olá Nêga,
      Infelizmente eu não sei te informar sobre mercado musical.
      Sobre trabalho vale dizer que, num geral, não é fácil. Mas tudo depende do seu conhecimento da língua, do seu conhecimento do inglês, da área em que você procura, do tempo de experiência que você tem nessa mesma função, da sua qualificação…
      Quanto mais qualificado e experiente, mais fácil vai ser.

  8. Oi Monique. Descobri seu blog fazendo uma busca pelo Google e me senti na obrigação de vir aqui te agradecer por essas informações tão valiosas. Em breve estarei mudando com o meu marido para perto de Lausanne e com o seu post deu pra ter meio que um panorama geral de como são os custo ai. Ai, ai… estou um pouco assustada, mas já estamos nos organizando! Muito obrigada. Pamela

    1. Olá Pamela, obrigada pelo comentário!
      No início dá um susto sim, mas nada melhor que vir informado!

      😉

Deixe uma resposta para Monique Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *