EUA: passeio de um dia na Philadelphia

Pra quem não viu, eu narrei a nossa experiência de viajar de Zurique pra Philadelphia aqui. Nós decidimos ir pra Philadelphia simplesmente porque o o preço da passagem de avião pra lá era bem mais conta (e compensava pagar o trem Philly-NY depois). E aí a gente já aproveitou pra conhecer mais uma cidade nos EUA (foi mais barato e mais interessante).

Nós chegamos na Philadelphia numa terça feira a tarde e estava chovendo. Pegamos um trem no aeroporto em direção ao centro da cidade e digo: foi meio que um choque. Da janela do trem eu vi uns barrancos cheios de lixo, lugares muito acabados e muitas pichações. Chegamos no centro e fomos pro nosso hotel, que ficava do lado do Pennsylvania Convention Center, bem pertinho de onde descemos do trem (mas nem vou me aprofundar no assunto porque não recomendo o hotel). Deixamos nossa mala no hotel e tentamos sair fazer um passeio. Tentamos, somente. Sabe aquele vento de virar o guarda chuva? Aquele dia que você encontra um monte de sombrinha quebrada no chão? Tava assim.

Nós conseguimos passar numa farmácia ali perto e passamos no Reading Terminal Market comprar um sanduíche no DiNic’s. O sanduíche até estava bom, mas não excepcional como eu esperava. Acho que chegamos perto da hora de fechar e eles não fizeram nosso sanduíche com muito carinho. Voltamos pro hotel e resolvemos dormir cedo, pro dia seguinte ser bem aproveitado. Assistimos um pouco de tv antes de dormir e eu quase não acreditei nas propagandas que eu estava vendo: elas eram tão ruins, mas tão ruins, que pareciam pegadinha.

O quer ver por lá:

No dia seguinte acordamos super cedo, tomamos café no hotel e fomos pro Visitor Center, onde pegamos nossas entradas pro Independence Hall (gratuito).

IMG_0758

IMG_0761

Independence Hall

O Independence Hall foi palco de alguns dos mais importantes acontecimentos da história americana. O edifício foi construído em 1753 e sediou o Segundo Congresso Continental, onde foi declarada a independência dos EUA em 1776, e também a discussão e aprovação da Constituição Americana em 1787. Tornou-se Patrimônio Mundial da Unesco em 1979.

Nós pegamos as entradas no Visitor Center matamos um tempinho ali por perto antes do nosso horário de entrada no Independence Hall. Primeiro nós assistimos a uma mini palestra sobre a importância do local e dos acontecimentos que ali se sucederam, e depois conhecemos algumas salas.

IMG_0759

2014-04-16 09.03.36

IMG_0763
Muito amor? Sim ou com certeza?

O passeio no Independence Hall é rápido, é gratuito e é bem interessante – e também está lotado de americanos super fanáticos pela história do seu país e erguendo seus dedinhos de aluno aplicado cada vez que uma pergunta era feita pra platéia. Foi uma experiência estranha, de certa forma, mas com certeza vale a pena.

Liberty Bell

O Sino da Liberdade é um grande símbolo da Independência Americana. Entre outros acontecimentos, dizem que foi tocado para convocar os cidadãos da Philadelphia para ouvir a leitura da Declaração de Independência (porém, há controvérsias quanto a essa afirmação).

O sino fica bem pertinho do Independence Hall, então planejávamos entrar ali depois da visita. Encontramos uma fila gigantesca por causa de uma visita de escola e resolvemos tocar o barco adiante mesmo, caminhando em direção ao City Hall.

IMG_0767
Foto zoada mesmo, tirada do lado de fora

City Hall

O City Hall é a sede do governo da cidade da Philadelphia. Tem 167 m de altura, incluindo uma estátua do fundador da cidade, William Penn, no topo. A construção do City Hall se iniciou em 1871 e levou 30 anos pra ser finalizada. Foi construído para ser o prédio mais alto do mundo, mas logo foi ultrapassado.

IMG_0768 IMG_0770 IMG_0774

Masonic Temple

O Templo Maçônico é um prédio histórico, bem próximo do City Hall, e foi construído entre 1868-1873.

IMG_0769 IMG_0816

JFK Park

Praça também conhecida como Love Park, por causa da instalação feita por Robert Indiana. Desse parque é possível já enxergar o Philadelphia Museum of Art (lá no fundo) e, no caminho, passamos pela Logan Square.

IMG_0784

Quando chegamos na avenida e começamos a caminhar em direção ao museu, o vento era tanto que eu me obriguei a usar uma touca porque meu cabelo já estava todo cheio de nós de tanto voar loucamente e chicotear minha própria cara. Tenso é pouco.

Logan Square

É uma área da cidade repleta de construções históricas, onde se encontra o The Franklin Institute.

IMG_0791 IMG_0792

Seguimos caminhando em direção ao Museu de Arte, e passamos no Museu Rodin.

Museu Rodin

O Museu Rodin da Philadelphia possui o maior acervo de obras do artista fora de Paris. Sua construção se deve a Jules Mastbaum, um milionário que passou parte de sua vida colecionando obras de Auguste Rodin. Em 1923, ele resolveu criar um museu pra alocar a sua coleção, e o Museu Rodin abriu suas portas em 1929 (3 anos depois do falecimento de Mastbaum). Não entramos, mas passeamos ali pelo jardim, que é lindo.

IMG_0796 IMG_0800 IMG_0803

Philadelphia Museum of Art

É um dos maiores e mais importantes museus dos EUA. No entanto, a maioria das pessoas visita o museu por outro motivo: Rocky Balboa. Quem lembra da cena dele correndo, subindo a escadaria e comemorando? Pois então, foi ali mesmo.

IMG_0807 IMG_0808Correndo de all star: Rocky mestre!

 Recordar é viver:

Do lado da escadaria, um pouco pra direita, encontramos também a estátua do Rocky (e acúmulo master de turistas se revezando pra bater foto com ele: foi difícil conseguir uma foto em que não aparecesse ninguém).

Depois dessa longa caminhada… nós caminhamos de volta! Mais ou menos pelo mesmo caminho da ida, passando de novo pelo City Hall até voltar pro Reading Terminal Market pra almoçar.

Capture d'écran 2014-09-11 22.37.33Ida em vermelho, volta em laranja

Reading Terminal Market

Esse mercado é parada obrigatória pra quem vai a Philadelphia. Pesquisando na internet eu cheguei à 3 sugestões: Tonny Dinic’s, Carmen’s Cheesesteaks e Basset’s Ice Cream. Nossa primeira ida ao Reading Terminal Market não foi grandes coisas. Lugar vazio e comida mais ou menos (Dinic’s). Mas quando voltamos na quarta feira o ambiente era outro: mercado lotado, muitas banquinhas abertas, banquinhas amish e agito. Dessa vez, resolvemos comer no Carmen’s e bem, eu entendi a fama do Reading Terminal Market. Eu pedi um Hoagie (não lembro exatamente qual, mas um dos mais tradicionais, indicado pelo dono) e o Henrique pediu um Philly Cheesesteak e MêoDeus, era sensacional. Até o Obama já comeu lá no Carmen’s (tem uma foto dele no caixa). Recomendo demais. Eu não me lembro o preço, mas lembro que não foi exatamente barato (pros padrões americanos), mas eu comeria lá de novo e de novo sem nem pestanejar.

2014-04-16 13.10.24

Depois nós ainda pegamos um sorvete na Basset’s Ice Cream – pra se atolar mesmo – e também era maravilhoso e enorme.

Saímos dali e caminhamos a esmo, entramos em uma Burlington Coat Factory e acabamos caindo numa galeria (Gallery at Market East) e ficamos por ali um tempo, aproveitamos pra fazer umas comprinhas e usar a internet do Starbucks, e depois voltamos pro hotel buscar nossa mala e partimos em direção de Nova York.

De cara preciso dizer que a gente não gostou muito da Philadelphia (com exceção do Reading Terminal Market, que foi amor verdadeiro quando almoçamos na quarta). Mas depois que chegamos em NY e tivemos que encarar uma horda enlouquecida de turistas, passamos a valorizar mais a experiência de ter conhecido Philly e os momentos tranquilos que passamos por lá. Como diz uma amiga minha, é uma cidade mais real sabe?

Acho que 1 dia foi suficiente pra conhecer os pontos turísticos principais, mas claro que, como em todo o lugar, se puder ficar mais sempre se encontra coisa bacana pra fazer (principalmente entrar nos museus e caminhar mais pelo centro da cidade).

ô cidade que venta viu?

Você também pode gostar de:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *