Resenha de livro: Jogos Vorazes

200px-The_Hunger_GamesTítulo: Jogos Vorazes – trilogia

Autor: Suzanne Collins

Ano: 2008

Sinopse (do Submarino)

Jogos Vorazes: Vol. 1

Mistura de ficção científica com reality show, passando pela mitologia e pela filosofia com muita ação e aventura, Jogos Vorazes é um fenômeno na literatura jovem. Com um mote surpreendente, o livro, que está há mais de 85 semanas na lista de mais vendidos do The New York Times e de outras publicações de prestígio dos EUA, ganhou elogios de Rick Riordan, Stephenie Meyer e outros formadores de opinião e rendeu à autora Suzanne Collins lugar na badalada lista de 100 personalidades mais influentes do ano da revista Time. Ambientado num futuro sombrio, Jogos Vorazes é pioneiro de uma tendência que vem ganhando força no mercado de best sellers juvenis: a dos romances distópicos e pós-apocalípticos.

Em Chamas: Vol. 2

Em Chamas é o segundo volume da bem-sucedida trilogia iniciada com Jogos Vorazes, mais novo fenômeno da literatura jovem dos últimos tempos, que mistura ficção científica com reality show, passando pela mitologia e pela filosofia, com muita ação e aventura. Com mais de quatro milhões de exemplares vendidos apenas nos Estados Unidos, a saga ganhará adaptação para o cinema, com estreia prevista para 23 de março de 2012. A direção do longa está a cargo de Gary Ross (Quero Ser Grande/Seabiscuit) e a protagonista Katniss será interpretada por Jennifer Lawrence, finalista ao Oscar de melhor atriz deste ano por Inverno da alma. A trilogia manteve-se por 130 semanas consecutivas na prestigiada lista do jornal The New York Times.

A Esperança: Vol. 3

O volume final da trilogia Jogos Vorazes, de Suzanne Collins, é exatamente o livro pelo qual os fãs esperavam: complexo, imaginativo e, ao mesmo tempo, brutal e humano. Depois de sobreviver aos jogos por duas vezes, Katniss Everdeen tentará se encontrar no papel de símbolo de uma revolução, enquanto luta para proteger sua mãe e sua irmã no meio de uma guerra. A série, com mais de quatro milhões de exemplares vendidos apenas nos Estados Unidos, é o mais novo fenômeno da literatura jovem dos últimos tempos, e mistura ficção científica com reality show, passando pela mitologia e pela filosofia com muita ação e aventura.

Minha opinião:

De um modo geral eu gostei bastante dos livros: a leitura é agradável, a história deixa a gente bem envolvido, a autora termina os capítulos estilo ‘escritor de novela das 9 da globo’, deixando um suspense no ar, então eu sempre acabava lendo mais um capítulo, e mais um… e quando eu vi eu terminei os 3 livros em 6 dias.

A história é bem fantasiosa, mas a autora se esforça pra fornecer uma explicação pra tudo. Isso não significa que as explicações são convincentes, mas elas existem. Acho que o segredo pra gostar desses livros é não pensar muito a fundo nessas explicações… aceitar que é isso aí mesmo e aproveitar a trama.

Mas o que me incomoda um pouco nesse livro é essa mescla estranha de coisas ‘muito antigas’ com coisas ‘muito novas’. Explico: Katniss caça com arco e flecha pra sustentar a família, num lugar muito pobre onde pessoas ainda morrem em minas de carvão – e isso evoca, pelo menos para mim, uma história ambientada a muito tempo atrás. No entanto, no Capitol, existem roupas que pegam fogo de mentira, remédios que curam de uma noite pra outra, tecnologia pra criar arenas cheias de truques e trens bala… Minha sensação a respeito disso: é como se a autora não tivesse conseguido se decidir entre criar uma história antiga ou uma história moderna, então ela resolveu criar um mundo onde as duas histórias possam coexistir. E aí entram aquelas explicações que eu comentei antes.

Em certo momento eu achei que estava lendo uma espécie de “Crepúsculo”, mas no final das contas o romance faz sentido e tem seu papel na história. Henrique disse que lembrou de Battle Royale vendo os filmes, mas eu não sei dizer porque não conheço Battle Royale (mas na Wikipedia você pode encontrar mais coisas sobre esta ‘coincidência’).

Como eu disse antes, se você não pensar muito profundamente sobre Panem e aceitar as explicações da autora, a história é legal. O meu livro favorito é o primeiro, que é o mais interessante e original. O dois também é muito bom, mas já não tão original assim. O 3 é meio estúpido no seu desenvolvimento, eu diria, mas tem um final muito bom. Aliás, a trilogia tem mérito por ter um final surpreendente.

Logo depois de terminar os livros, eu resolvi assistir os filmes. Eu fiquei muito surpresa com a fidelidade livro-filme. Claro que nem tudo o que está nos livros está no filme, mas tudo que está no filme está nos livros. Eu achei isso sensacional e fiquei pensando: como eu queria ter visto esse tipo de adaptação pro cinema no Hobbit também – que, no filme A Desolação de Smaug, consegue ser diferente do livro em simplesmente tudo, TUDO. Segundo o Henrique, eu tenho que me acostumar com a ideia de que existem dois Hobbits: livro e filme não são a mesma coisa e eu tenho que aprender a tirar o melhor dos dois. Mas né, adaptações como essa de Jogos Vorazes só me fazem admirar ainda mais a capacidade de se fazer um filme coerente com o livro.

Resumindo: história bacana, leitura interessante e rápida, recomendo muito para um momento de lazer e ‘distopia’.

Você também pode gostar de:

1 Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *