Resumo “cultural”: Séries

Um dos pontos fortes de viver fora do Brasil é, certamente, se livrar da Globo. Não ter que ver a cara do William Bonner toda noite na TV (ou do Faustao no domingo) é um alívio. Mas isso não significa que a programação daqui seja muito bacana – ou as vezes a gente simplesmente tá sem vontade de assistir programas em francês-alemão-italiano e etc.

Nesse contexto, a gente começou a assistir algumas séries esse ano. É como se fosse a nossa novela das 9h, só que melhor. A gente vai assistindo conforme dá vontade, conforme tem tempo, sem muita pressa ou obrigações. Depois de assistir Sherlock, que eu já contei aqui, a gente enveredou em algumas outras séries:

The Big Bang Theory – todas as temporadas

tbbt

The Big Bang Theory não é novidade pra ninguém, mas eu sentia falta de assistir os episódios em ordem. A TV reprisa pra caramba, e tem episódios que eu vi um milhão de vezes e outros que eu nunca tinha visto. Assistimos as 7 temporadas completas, o que não demorou muito porque os episódios são bem curtinhos. Apesar de ter uma “grande história” que se desenvolve ao fundo, o seriado se destaca mais pelas “pequenas” histórias contadas em cada episódio. Assistindo um atrás do outro a gente vê que o seriado peca um pouco em continuidade (como alguns personagens sumindo misteriosamente, ou Sheldon ganhando/perdendo manias que ele não tinha nos episódios anteriores). Mesmo assim, é sempre divertido e alguns episódios são realmente hilários. Mas vale mais a pena ir acompanhando semanalmente do que fazer maratona.

The It Crowd – 4º temporada

the_it_crowd_12

Durante um bom tempo The IT Crowd foi meu seriado favorito (de comédia ainda é, com certeza). The IT Crowd é uma série de nerds, tipo The Big Bang Theory, só que muito mais vida “real” de todo mundo e menos “gênios da física com QIs altíssimos”. Conta a história do Roy e do Moss, que trabalham no setor de TI da empresa Reynholm, e de como eles são desprezados pelo resto da empresa – mesmo prestando um serviço crucial – e da nova chefe deles, a Jen, que não entende nada de “computadores” mas convence o chefe com uns blefes, dado que ele entende ainda menos do que ela.

 

“Você já tentou desligar e ligar novamente seu computador?”. Então, na época em que eu conheci a série eu trabalhava numa empresa e quando eu precisava da TI eles falavam exatamente isso (normal né). Inclusive no dia que meu monitor explodiu.

Eu achei a 4º temporada a mais fraca, mas as 3 primeiras foram ótimas (cada temporada tem 6 episódios, rapidinho de ver). Eu adoro todos os episódios com o Richmond (principalmente o episódio da janta na casa da Jen), o episódio do Peter File, o episódio em que o escritório pega fogo…. e dessa última temporada, o episódio “Italiano para iniciantes” foi demais. Até postei uma ~ piadinha ~ no meu insta/face, pra ver se alguém entendia (já que meu face é inundado de “fãs” de IT Crowd, e ninguém entendeu). Em resumo, recomendo demais.

moss      admin-ajax

 

True Detective 

true-detective__140415184301

Enquanto essa série ainda estava passando, eu vi alguns comentários no face, algumas recomendações… então quando acabou eu resolvi conferir. A série conta a a história de dois detetives tentando solucionar um caso de um assassino em série em Louisiana. A série se passa no tempo “atual”, recapitulando os acontecimentos de 17 anos atrás e mostrando todo o desenvolvimento da investigação, além de tudo o que aconteceu na vida pessoal dos dois detetives em todo esse tempo – até retornar ao tempo atual, onde acontece o desfecho. Enfim, eu não diria que achei o final sensacional, mas o desenvolvimento da série é muito bom. Os personagens são muito bem construídos e muito coerentes (mesmo numa história com 17 anos de acontecimentos). Tem alguns momentos de ~medo~, de ação, de puro trabalho investigativo… e o detetive Rust é quase tão bacana quanto o Sherlock, observadas as devidas proporções. Recomendamos muito, também.

Breaking Bad – todas as temporadas

Breaking-Bad-HD-Poster-Download-Free-1080p

Então né, esse a gente resolveu ver porque simplesmente é a “melhor série do mundo”. Algumas pessoas me disseram isso pessoalmente, um sem-número de pessoas escreveu isso no facebook, e tem mais um bocado de gente na internet que adora alardear que é a melhor série do mundo. Conta a história do Walter White, um professor de química que descobre que está com câncer e resolve fabricar metanfetamina pra deixar um dinheiro pra família.

E quer saber? A gente não gostou muito.

* vou pegar um escudo aqui pra me proteger das pedras *

Então, meio chato isso. A gente só assistiu as 5 temporadas porque todo mundo diz que é maravilhoso, então a gente tava pagando pra ver. Se não fosse isso, eu teria abandonado ainda na primeira temporada e o Henrique teria abandonado na segunda. Exagerado, fantasioso, com personagens incoerentes e novelesco (tem muito capítulo que é pura encheção de linguiça). Isso define o que a gente achou de Breaking Bad. Eu sei, todo mundo ama, ok, eu entendo, não tiro os méritos da série. Mas aqui não rolou. Sabe quando uma série acaba e tu fica meio perdido, meio órfão? Não aconteceu com Breaking Bad.

Eu também assisti a segunda temporada de Vikings, mas to pensando em falar disso separadamente. E agora estamos terminando a primeira temporada de Game of Thrones (que eu já assisti as 3 primeiras temporadas e li os 5 livros), que eu estou revendo com o Henrique para podermos assistir a quarta temporada juntos.

Você também pode gostar de:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *