Suíça: vilarejo de Gruyères

A Suíça, apesar de ser inteiramente linda e interessante (não canso de dizer isso) tem seus pontos turísticos clichês – e o vilarejo de Gruyères é um deles. Esperamos uma ocasião especial para fazer esse passeio, e a Festa de St. Jean em junho foi nosso pretexto para conhecer esse destino tão famoso no país.

Gruyères é um pequeno vilarejo medieval no cantão de Friburgo, e dá seu nome a um dos famosos queijos do país. O centro do vilarejo fica no alto de uma colina e tem, basicamente, uma única rua. Além de história e arquitetura, Gruyères fica numa região privilegiada, oferecendo aos turistas paisagens dos típicos cartões postais (a Suíça como você espera).

gruyeres

Existem quatro pontos principais de visita em Gruyères: a fábrica de queijo, o castelo de Gruyères, o restaurante Le Chalet e o museu HR Giger. A fábrica fica pertinho da estação de trem da cidade (basicamente, assim que você sai dela) e os demais pontos ficam no vilarejo no alto da colina, e podem ser acessados em uma caminhada de 10-15 minutos. Carros não entram no vilarejo, mas existe um estacionamento próximo.

gru
A rua única

La Maison du Gruyère

O queijo Gruyère é um dos mais famosos e tradicionais (senão o mais) queijo suíço. A Maison du Gruyère é o local onde podemos conhecer a história e acompanhar a produção do Gruyère AOP, o queijo que tem certificação de origem – genuinamente suíço.

A queijaria, aberta desde 1969, tem uma exposição interativa onde é possível conhecer a história do local e da produção do queijo, bem como sentir odores, ouvir sons, mergulhar sensorialmente no processo todo – tudo isso com a narração da vaca Cereja! Também é possível acompanhar, através de janelas, a fabricação do queijo e degustar três diferentes tipos de Gruyère (diferenciados pelo tempo de maturação).

fromagerie

Preço: Adulto CHF 7 e estudante CHF 6

Château de Gruyères

O Castelo de Gruyères é o segundo castelo mais visitado de toda a Suíça. A origem da dinastia dos Condes de Gruyères não é clara, mas a história reconhece a existência de dezenove condes entre os séculos XI e XVI. Michel, o último dos condes, faliu em 1554 e o castelo foi tomado pelos credores. Foi posto a venda em 1848 e adquirido pelas famílias Bovy e Balland, que acolheram inúmeros artistas. Em 1938 o cantão de Friburgo adquiriu o castelo e o transformou em museu. Desde 1993 uma fundação garante a conservação do castelo e de suas coleções.

castelo_interior castelo

Preço: Adulto CHF 10 e estudante CHF 8,50

Restaurante Le Chalet

O restaurante Le Chalet é conhecido como um dos “melhores fondues de toda Suíça”. Não podemos confirmar, mas fica a dica pra quem pretende visitar a cidade: boa comida em um ambiente incrível.

Preço: não lembro com exatidão, mas acredito que o fondue fique entre CHF 30 e CHF 40 por pessoa (sim, tem um cardápio do lado de fora onde você pode conferir os preços).

Museu HR Giger

E no meio do clima medieval, das flores nas janelas e dos verdes vales, surge o Alien. É, é uma quebra na paisagem, mas conhecendo um pouquinho da história tudo faz mais sentido. HR Giger, o ‘pai’ do Alien, nasceu em Chur, na Suíça, em 1940. Trabalhando com o surrealismo e arte fantástica, com os dois pés no macabro, seu livro Necronomicon chamou a atenção de Ridley Scott. O trabalho de Giger para o filme Alien lhe rendeu o Oscar de Melhores Efeitos Visuais em 1980.

Em 1990, em comemoração aos seus 50 anos, Giger foi convidado a montar uma retrospectiva de seu trabalho no Château de Gruyères – a exposição foi um sucesso e recebeu mais de 100 mil visitantes. Giger se apaixonou pelo vilarejo e comprou o Château St. Germain em 1997, onde instalou um museu permanente e um centro de arte fantástica. O museu tem a maior coleção de trabalhos de Giger, cobrindo diferentes períodos criativos – incluindo trabalhos de Alien, Alien 3, Species e Poltergeist.

giger
Château St. Germain
giger_2
Café ao lado do museu

Preço: Adultos CHF 12,50 e estudantes CHF 8,50. 

Pra quem não quer entrar no museu, ao lado tem um café, onde dá pra ‘sentir’ um pouquinho do ambiente. É proibido fotografar dentro do museu.

Como chegar em Gruyères:

  • Bern – Gruyères (via Romont Bulle): CHF 66 adulto, ida e volta,1h50.
  • Bern- Gruyères (via Friburgo- Bulle): CHF 66,40 adulto ida e volta, 1h25.
  • Zurique – Gruyères (via Olten, Berna, Friburgo, Bulle): CHF 152 adulto, ida e volta, 2h27.
  • Lausanne – Gruyères (via Montreux- Montbovon): CHF 56 adulto, ida e volta, 1h37.
  • Lausanne – Gruyères (via Romont- Bulle): CHF 56 adulto, ida e volta, 1h17.

Em resumo…

O passeio todo é super agradável e rápido – mesmo se você visitar tudo com calma, 1 dia é suficiente pra fazer tudo e, arrisco dizer, vai sobrar tempo. Se você quer otimizar o passeio, sugiro visitar no mesmo dia a Maison Cailler, que fica em Broc, pertinho de Gruyères (vai ser um dia de imersão na culinária suíça).

Apesar de ser bem turístico, não achamos de todo um “pega ratão”. O passeio na fromagerie foi mais interessante do que imaginávamos, o museu Giger é super interessante (uma mente insana e um talento incrível) e o castelo tem um acervo bem bacana. Entendo bem o apelo do vilarejo com os turistas e acho um passeio bem válido, pois condensa várias coisas interessantes em um único dia (tem queijo, tem castelo, tem vilarejo medieval, paisagens bucólicas, vaquinhas gordas…).

Quanto a festa medieval de St. Jean, essa não animou muito. É claro que dá toda uma vida nova pro castelo e diferencia bastante a visita, mas foi a mais fraca de todas festas medievais que já fomos.

stjean_3 stjean_2

Você também pode gostar de:

2 Comentários

  1. Preciso confessar que sou apaixonada por esta cidade! Seja ela clichê ou não hahaha

    Lembro perfeitamente do dia 14 de agosto de 2012, meu segundo dia na Suíça, quando fui de trem para Broc (que, aliás, é uma delícia de cidade) e no caminho avistei um castelo maravilhoso.
    Meu pensamento foi “eu tenho que conhecer este lugar!”. Sem fazer ideia, após Broc fomos para Gruyère e, para minha surpresa, lá estava aquele castelo de Contos de Fadas!!

    Vale ressaltar que esta minúscula vila comporta mais elementos culturais que muitas grandes cidades. É fábrica de queijo, museu do Alien (apelidamos o Giger assim) e quando fui também tinha um museu tibetano, sem falar do castelo em si… enfim… sou mesmo apaixonada por este lugar!

    Parabéns pela postagem. Deu para matar as saudades!!
    Beijos

    1. Olá Bárbara!
      Gruyères é mesmo uma cidade muito interessante e cheia de atrativos.
      Eu tinha um pé atrás com a cidade, mas gostei muito do passeio! Não é meu favorito, mas pra quem vai turistar na Suíça é um passeio realmente interessante, pois condensa paisagens e experiências tipicamente suíças em um lugar só!

      Obrigada pelo comentário!
      Bjs =D

Deixe uma resposta para Bárbara Malcur Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *