Viajando pro Japão: programação

Programar a sua viagem pro Japão é mais do que importante – é necessário. A programação faz parte da documentação que você entrega pra conseguir o visto, juntamente com as passagens aéreas, as reservas de hotel… Não precisa ser nada muita detalhado, mas é importante que você coloque a cidade onde vai estar, o que pretende ver nessa cidade (1 ou 2 coisas é suficiente) e em que hotel estará hospedado.

Nós aproveitamos esse momento e já planejamos mesmo tudo o que gostaríamos de fazer por lá – mesmo entregando pro consulado uma versão bem simplificada da nossa programação. Nós pesquisamos bastante, entramos em vários sites, vimos muitos vídeos e dicas, mas os sites determinantes foram mesmo os mais conhecidos pra esse fim: Japan Guide e Hyperdia.

Nós dividimos a nossa viagem em duas partes: uma primeira parte mais “histórica”, passando por Osaka, Quioto, Hiroshima… e uma segunda parte mais frenética, conhecendo Tóquio.

Assim que chegamos no Japão nós já retiramos nosso Japan Rail Pass e fomos pra Osaka, onde nos estabelecemos e começamos a fazer uma série de passeios bate e volta. Na metade da viagem nós fomos pra Tóquio, onde ficamos até o último dia (já contei detalhes dessa parte prática da viagem nesse post aqui)

Vou dividir nossa programação aqui com alguns comentários, porque eu acho que esse tipo de informação sempre ajuda quem está planejando. Futuramente farei post de cada um dos passeios, mas por hoje vou falar da programação num geral.

Nossa programação foi a seguinte:

Dia 01: chegada no aeroporto de Narita pela manhã, Shinkansen até Osaka e passeio em Namba a noite.

A ideia inicial era chegar em Osaka e visitar o Castelo de Osaka, mas chegamos mais tarde que o esperado (e o castelo fecha cedinho, as 17h). Então a gente descansou um pouco no hotel e foi passear a noite em Namba, onde aproveitamos pra jantar.

namba_1

Dia 02: Nara (parque de Nara, Todai-ji, Kofuku-ji…) e Castelo de Himeji

A ideia desse dia era conhecer somente Nara (aquela cidade com os cervos), mas eu madruguei por causa da loucura de fuso horário e nós chegamos em Nara bem cedinho e terminamos o passeio cedinho também. Então a gente resolveu ir pro Castelo Himeji (o maior e mais visitado castelo do Japão) que fica do outro lado, considerando Osaka como ponto de partida. Não é exatamente o melhor arranjo e nem estava nos nossos planos, mas quando vimos o tanto de tempo que ainda tínhamos achamos que valia a pena fazer. Nós aproveitamos pra descansar no transporte entre Nara e Himeji e assim conseguimos fazer dois passeios incríveis em um só dia.

Dia 03: Quioto (Fushimi Inari, Kinkaku-ji, mercado Nishiki …)

Não madrugamos nesse dia, mas começamos o passeio relativamente cedo pelo Fushimi Inari (santuário) e gente, que passeio compriiido! Hoje eu já não sei se faria tudo, porque esse passeio, apesar de incrível, comeu uma grande parte do nosso dia. Depois dali nós resolvemos ir até o mercado Nishiki para almoçar e, quando vimos, já eram quase 17h e todos os outros pontos turísticos estavam fechando. Até tentamos chegar no Kinkaku-ji (templo dourado), mas não dava mais tempo. Voltamos cedo pra Osaka e passamos a noite passeando em Shinsaibashi (assim como Namba, é uma região super movimentada, cheia de comércio e restaurantes).
inari

Dia 04: Hiroshima (Ilha de Miyajima e Parque da Paz)

Nosso passeio começou pela Ilha de Miyajima, onde ficamos até o início da tarde (e tava muito agradável ficar pertinho do mar naquele calor da Bahia) e depois seguimos pro Parque Memorial da Paz em Hiroshima. Finalizado o passeio, ainda conseguimos caminhar até o Castelo de Hiroshima também.

Dia 05: Castelo de Osaka e Shinkansen para Tóquio. Passeio em Akihabara a noite.

Começamos o dia conhecendo o castelo de Osaka, que ficava a umas 2 quadras do nosso hotel, e passamos a manhã toda por lá. No início da tarde nós pegamos o shinkansen pra Tóquio. Já instalados no hotel, saímos pra conhecer Akihabara, o bairro dos eletrônicos.

Dia 06: Asakusa, Tokyo SkyTree e Shinjuku

Nosso dia começou na região de Asakusa, conhecendo o templo Senso-ji.  Depois caminhamos até a Tokyo Skytree, onde passamos um tempinho aguardando nosso horário de subida (tem shopping, então é tranquilo esperar). No meio da tarde fomos pra Shinjuku, outro bairro famoso, onde passeamos até o anoitecer.

Dia 07: Odaiba e Ginza

Passamos o dia inteiro em Odaiba (uma linha artificial), entre shoppings e mais shoppings e a Joypolis. No final do dia, aproveitamos que o ponto final do trem pra Odaiba é perto de Ginza, o bairro chique, para fazer uma caminhada por ali.

odaiba

Dia 08: Harajuku e Shibuya

Começamos o dia passeando pelo parque e conhecendo o Meiji Jingu, e depois nos aventuramos pelas ruas de Harajuku. Fomos caminhando até Shibuya, o bairro do Hachiko (o cãozinho do Sempre ao seu lado), onde passeamos mais um pouco. No final da tarde já estávamos voltando pro hotel.

Dia 09: Parque Imperial e tarde livre.

No último dia nossa única programação era o Parque Imperial e tínhamos a tarde livre.

O que eu mudaria na programação?

A nossa programação foi feita com bastante carinho e, pensando agora, eu não mudaria nada nela para uma primeira viagem. Porém no entanto todavia, depois de ter ido e vivido tudo isso, e agora sabendo do que gostamos mais ou menos, eu sinceramente passaria menos dias em Tóquio.

Nós definitivamente gostamos muito mais da primeira parte da viagem, que tinha castelos, parques, templos, natureza, paisagens…. quando chegamos em Tóquio e começamos a conhecer as regiões (Shinjuku, Shibuya, Akihabara…) a gente começou a achar que era tudo demais e tudo mais do mesmo (muita gente, muita gritaria, muita muvuca, muito calor). Eu sei que é fácil falar agora que eu já conheci e sei que não curti muito, mas pra uma próxima vez eu certamente não perderei tempo passando por todos esses bairros.

Então eu tiraria dias de Tóquio e acrescentaria em Quioto, com toda certeza, ou então em Osaka. Quem sabe até cogitaria conhecer a Universal de Osaka ou um dos parques da Disney em Tóquio mesmo (ou não, porque dizem que tem filas monstruosas).

Mas enfim, isso vai muito do gosto de cada um né, e tem muita coisa que a gente tem que ver e viver pra saber se gostou ou não. Com certeza todas essas experiências nos ajudarão a planejar uma próxima viagem, agora focada naquilo que gostamos mais de fazer (e serviu pra nos ensinar, de vez, que a gente não curte mesmo agito multidão e gritaria).

Você também pode gostar de:

2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *